Esclarecimento

09 Dez Esclarecimento

Face a um conjunto de falsas e graves acusações, feitas por um membro da CDU de Oliveira do Hospital, João Dinis, através de um artigo de opinião recentemente publicado na página electrónica de um jornal de Oliveira do Hospital, tentando envolver a CAULE – Associação Floresta da Beira Serra numa falsa polémica sobre a doença do Nemátodo, entendemos prestar o seguinte esclarecimento público:

  1. A CAULE é hoje uma entidade reconhecida, a nível nacional e internacional, pelo trabalho desenvolvido na prevenção e controlo da Doença da Murchidão do Pinheiro em Portugal, causada pelo Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP), cumprindo com todas as normas e procedimentos exigidos pelas entidades responsáveis.
  2. Contrariamente à acusação caluniosa e difamatória tornada pública pelo autor do texto, que enquanto representante de um Partido Político deveria ter a preocupação de averiguar a verdade dos factos, a CAULE não tem quaisquer responsabilidades pelos “montes” de estilha de madeira que se encontram junto ao Pólo Industrial da Cordinha, na Freguesia de Seixo da Beira, porque esses sobrantes não provêm de nenhum trabalho efectuado por esta Associação Florestal na Zona de Intervenção Florestal (ZIF) Cordinha, nem temos, no território em que intervimos, quaisquer “montes” resultantes das nossas atividades.
  3. Depois de uma visita ao local efectuada pelos nossos Técnicos, também constatámos que os sobrantes ali depositados, para além de não resultarem de qualquer intervenção florestal realizada pela CAULE, são compostos na sua maioria por estilha de madeira de eucalipto, não representando por isso, contrariamente à teoria invocada pelo autor do artigo, qualquer perigo em termos de um eventual alastramento da doença do Nemátodo;
  4. Os trabalhos levados a cabo pela CAULE na ZIF Cordinha com início em 8 de Outubro de 2013 – Proteção contra agentes bióticos nocivos – controlo do nemátodo da madeira do pinheiro – resultaram nos seguintes dados:
  • 26914 Árvores marcadas;
  • 8008 Árvores abatidas pela CAULE que resultaram 885,44 Ton de madeira;
  • As restantes foram abatidas pelos proprietários;
  • 305 Armadilhas colocadas;
  • 10695 Monitorizações de armadilhas;
  • 2736,8 hectares intervencionados;
  • 9667 Análises a insetos capturados;
  • 138 Análises a amostras de madeira;

Quanto à estilha, segundo os procedimentos do Plano de Ação Nacional para o controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro (ICNF), a mesma foi deixada no local de abate de acordo com o referido Protocolo (DL Nº 95/2011).
Os trabalhos terminaram no dia 29 de Abril de 2015 e foram totalmente validados pelas entidades responsáveis;

Por último, a CAULE considera absolutamente lamentável que o representante de um Partido Político tente denegrir o nome desta Associação Florestal e o seu trabalho por via de um artigo de opinião repleto de falsas e graves acusações.

Neste contexto e depois deste esclarecimento, a CAULE reserva-se no direito de efectuar as diligências que entender como mais importantes para a defesa do bom nome da instituição, dos seus associados e aderentes, tendo como finalidade a reposição da verdade.

A Direcção.