ESCLARECIMENTO

17 Nov ESCLARECIMENTO

Compreendemos que as pessoas queiram rapidamente ver os nossos montes verdes, mas isso, infelizmente, não é possível de um dia para o outro. A floresta e a natureza têm o seu tempo e temos que ir por fases:

1° Abater e retirar com a maior brevidade pinheiros integralmente secos e mimosas. Alguns pinheiros que tenham uma parte da copa verde devem ficar, para vermos se escapam durante mais uns anos. A maioria dos medronheiros também deve ser totalmente cortada rente, pois rebentam de toiça.

2° Os eucaliptos podem esperar mais algum tempo, pois não perdem tanto peso e qualidade como os pinheiros e também podem regenerar por toda a árvore. Quando forem abatidos também devem ser cortados rentes, para regenerarem de toiça.

3° Quanto às folhosas, como os carvalhos e castanheiros, devemos esperar pela próxima primavera e verificar as que vão rebentar nos ramos ou somente de toiça. As que rebentarem nos ramos, devem ser podadas no inverno de 2019, a fim de ser retirada a lenha seca. As restantes devem ser cortadas rentes para regenerarem de toiça.

4° No que diz respeito aos sobreiros, esses grandes resistentes, devemos atuar da mesma forma descrita no número anterior, esperando que esta espécie tenha taxas de sobrevivência mais elevadas, como é habitual.

5° MUITO IMPORTANTE: os sobrantes provenientes do abate, que não tenham valor comercial, devem ser o mais possível espalhados pelo terreno de forma a serem uma barreira à erosão e também para, no caso dos pinheiros, promoverem a regeneração natural.

6° Não aconselhamos, de momento e até chover, qualquer plantação, nem a sério, nem daquelas que alguns querem promover porque é bonito…, pois os solos estão com um défice hídrico muito elevado e como tal a sobrevivência das pequenas plantas sem rega será extremamente difícil.

7° A grande maioria – mais de 90% – dos espaços florestais que arderam no grande fogo vão regenerar naturalmente e não precisam de plantações. Precisam é que daqui a 3 ou 4 anos se faça a gestão dessa regeneração natural, limpando matos e retirando plantas a mais.

8° Por último, a grande preocupação que atualmente deve ter um proprietário responsável é abater e vender rapidamente a madeira ardida, nos termos anteriormente descritos, pois o pior que pode acontecer à nossa região e às nossas florestas é ficarmos com milhões de árvores mortas em pé, a apodrecer durante mais de 10 anos, com todos os inconvenientes em termos paisagísticos, fitossanitários, gestão dos novos povoamentos e também económicos.

Oliveira do Hospital, 16 de Novembro de 2017

Um mês após o maior Incêndio de sempre em Portugal.